PRATICAR O BEM NÃO É FAZER TUDO PELO OUTRO

PRATICAR O BEM NÃO É FAZER TUDO PELO OUTRO

Para fazer o bem, algumas vezes devemos contrariar uma pessoa e deixar que ele faça algo sozinha.
Para fazer o bem, algumas vezes precisamos deixar que a pessoa caminhe por si mesma.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos saber dizer não na hora certa, e não nos submetermos aos caprichos do outro.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos deixar nossos filhos errarem sozinhos, pois só pela dura experiência do erro cometido é que virá o aprendizado e o amadurecimento.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos não responder uma pergunta, mas estimular uma reflexão e deixar que o outro chegue a resposta sozinho.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos mostrar a verdade ao outro, por mais doloroso que seja para ela.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos dizer a pessoa que ela está sendo invasiva e impor alguns limites.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos terminar uma relação que já está desgastada e dissolver antigas raízes de apego ao outro.
Para fazer o bem, algumas vezes devemos elucidar comportamentos inoportunos que o outro insiste em praticar.
Para fazer o bem, algumas vezes é necessário retirar regalias, privilégios e confortos, para provocar um movimento que levará a pessoa sair do comodismo.
Fazer o bem é dar com amor, mas o amor também pressupõe retirar algo para que a pessoa aprenda a conquistar sozinha.

Hugo Lapa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *